Modal foi ponto de destaque na pauta de mobilidade urbana do evento

A tecnologia empregada no VLT e suas características sustentáveis foram apresentadas em uma palestra no Conselho Regional de Engenharia e Agronomia da Bahia (CREA-BA), no dia 04 de novembro, pelo engenheiro de projetos da Skyrail Bahia, Igor Trocoli. Entre os pontos abordados estavam a chegada do primeiro trem e como o VLT tornará o sistema de transporte mais dinâmico.

O projeto do VLT do Subúrbio foi apresentado à Coordenadoria de Câmaras Especializadas de Engenharia de Agrimensura dos CREAS (CCEEAGRI). Durante o evento, foi possível tirar dúvidas e apresentar o mapa com as 25 paradas divididas em duas linhas. Outro ponto valorizado foi a geração dos empregos durante a obra: cerca de 2.800 até setembro de 2022, sendo 70% da área de influência direta (AID) do projeto, ou seja, do subúrbio ferroviário de Salvador.

Integrantes do CREA-BA durante apresentação do projeto do VLT.

“O convite do CREA-BA para apresentarmos o projeto do VLT foi uma oportunidade de mostrar como o VLT é um projeto de mobilidade urbana desafiador e que trará um retorno considerável à comunidade”, comenta Trocoli.

Eng.º de projetos da Skyrail, Igor Trocoli

Meio Ambiente

A palestra no CREA-BA durou cerca de 40 minutos, seguida por 20 minutos de perguntas. Entre os pontos relevantes estavam as questões ambientais e o modelo sustentável de transporte que está em fase de construção pela Skyrail Bahia, empresa responsável pela implantação e operação do modal.

O VLT do Subúrbio é um veículo 100% elétrico e não emite gases poluentes. É equipado com eixo único, pneus de propulsão e estabilizadores que tornam a viagem estável e silenciosa. Além de modernidade e eficiência, irá oferecer aos passageiros conforto, com ar-condicionado e wi-fi em todos os vagões, e agilidade, reduzindo o tempo de espera de 40 para três minutos e meio entre um trem e outro.

A previsão é que o VLT seja 100% entregue até junho de 2024. A construção do sistema será em duas etapas. A primeira possui 19,2 quilômetros e começa na Ilha de São João, em Simões Filho, até o Comércio. Nesse trajeto serão construídas 21 estações. Em seguida, temos a segunda fase da obra que consiste em mais 4,08 quilômetros que farão a integração com a estação Acesso Norte do metrô de Salvador