Além de modernizar o sistema de transporte em Salvador e na região metropolitana, o VLT do Subúrbio trará contribuições à preservação do patrimônio histórico da Bahia. Na semana em que é celebrado o Dia Nacional do Patrimônio Histórico (17 de agosto), a Skyrail Bahia reforça este compromisso: estações históricas serão preservadas e a obra segue com atenção redobrada à proteção de vestígios arqueológicos.

Duas ações merecem destaque. A primeira será na estação da Calçada. Inaugurada em 1860, sua estrutura passará por reformas. Para o funcionamento do VLT, será erguida uma parada ao lado, com projeto arquitetônico que valoriza a convivência entre a tradição e o contemporâneo.

Estação do séc. XIX terá uso integrado ao VLT.

Um segundo ponto de preservação é em Periperi, onde a icônica estação amarela será mantida. A demolição que será executada no local afetará apenas a passarela, plataformas e o acesso. “O VLT trará conforto e segurança aos usuários, sem perder de vista a memória do trem no subúrbio ferroviário de Salvador. O transporte sobre trilhos faz parte da história da Bahia, e isso será preservado”, comenta Alexandre Barbosa, diretor técnico da Skyrail Bahia, empresa responsável pela construção e operação do novo modal.

A antiga estação de Periperi continuará como um dos ícones do bairro.

 

PRESERVAÇÃO – A região na qual o VLT do Subúrbio será construído faz parte de uma poligonal que abriga edificações que fazem parte do patrimônio artístico, histórico e cultural brasileiro. Desde antes do início das obras são realizadas investigações arqueológicas, além de monitoramento regular no território.

A Skyrail Bahia avança nas obras à medida que licenças são emitidas pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). De modo contínuo, são realizados o mapeamento e a classificação de bens materiais e imateriais, garantindo que nenhum dano ocorra.

Em março de 2015, ao analisar o projeto de construção do VLT, uma instrução normativa do IPHAN exigiu da Skyrail Bahia a execução de duas ações importantes na salvaguarda do patrimônio.

A primeira delas foi a elaboração do Projeto de Avaliação de Impacto ao Patrimônio Arqueológico (PAIPA), com o objetivo de avaliar eventuais impactos do projeto em sítios arqueológicos localizados na área. Em seguida, foi produzido o Relatório de Avaliação de Impacto ao Patrimônio Arqueológico (RAIPA), com ações preventivas a serem aplicadas após os estudos de campo.

Com apoio de uma consultoria especializada em arqueologia, a Skyrail Bahia apresentou os documentos solicitados pelo Iphan e, em junho de 2021, o órgão concedeu autorização para avançar com as obras e executar o Projeto de Monitoramento Arqueológico Específico (PMAE).

Até o momento não foram encontrados vestígios arqueológicos relevantes durante os trabalhos de campo. No entanto, o PMAE estabelece que, “havendo a observação de contextos de interesse arqueológico, será solicitada a imediata paralisação das obras no trecho identificado, sendo feito o seu cadastro e salvamento das informações a partir de metodologia arqueológica, bem como será informado imediatamente ao IPHAN, sendo aguardados os posicionamentos e diretrizes do órgão para a continuação das obras nesses trechos”.

SOBRE A OBRA – O VLT do Subúrbio será construído em duas etapas. A primeira possui 19,2 quilômetros e começa na Ilha de São João, em Simões Filho, até o Comércio. Nesse trajeto serão construídas 21 paradas. Em seguida, a segunda fase da obra consiste em mais 4,08 quilômetros, partindo da parada São Joaquim ao Acesso Norte – quatro paradas serão erguidas nessa etapa. No site da Skyrail Bahia, é possível ter acesso a um mapa completo do projeto e suas paradas. Link: www.skyrailbahia.com.br.