1- Quando começam as obras do VLT?

Em dezembro de 2019 foi assinada pelo Governo do Estado a Ordem de Serviço para o início das obras e a concessionária recebeu a autorização da Prefeitura de Salvador em junho para implantação do canteiro de obras. Para a próxima etapa, a de mobilização da obra, foi expedido em agosto um novo alvará de construção pela Prefeitura de Salvador
para o trecho Calçada-Paripe.

2- Qual é a previsão de término?

A previsão é de que o início da operação aconteça ainda em 2022. Assim como
ocorreu com outros modais, alguns trechos deverão ser entregues de acordo com a
conclusão de cada etapa, colocando o serviço à disposição da população mais
rapidamente, por fases, tendo trechos sendo entregues de forma parcial.

3- Quantas estações terão?

Serão 21 estações na fase 1, em pouco mais de 19km de extensão. E, na proposta da fase 2 serão mais 5 estações, perfazendo um trajeto de pouco mais de 4 Km. A capacidade diária de transporte com a implementação das duas fases é de 156 mil passageiros por dia. O VLT sairá da Ilha de São João, no município de Simões Filho com destino ao Comércio e no trecho entre Paripe e Calçada, fará o mesmo percurso do atual trem do Subúrbio. Está prevista ainda uma extensão até o Acesso Norte do metrô, na sua fase 2.

4- Qual será o tempo total do percurso?

O trajeto de toda a linha 1 do VLT, da Ilha de São João ao Comércio, será realizado em um tempo estimado de 40 minutos. Hoje, o percurso atual realizado pelo trem, de Calçada a Paripe, leva em torno de 40 minutos. Esse mesmo trecho percorrido pelo VLT será de apenas 25 minutos. O intervalo entre uma viagem e outra hoje do trem do subúrbio é em média de 40 a 50 minutos. Com o VLT este tempo de espera será reduzido para quatro minutos entre uma viagem e outra, nos horários de pico.

5- Quais medidas serão adotadas em caso de incidentes nas casas da população do entorno?

Todas as casas no entorno da obra receberão uma vistoria cautelar e as condições
dosimóveis serão catalogadas. Caso haja algum dano, será possível avaliar se eles
foramcausados pelas obras. Caso sejam comprovados os danos, os reparos serão
executados pela Skyrail.

6- Como as pessoas terão acesso a suas casas durante o período das obras? Serão criados acessos alternativos?

Sempre que necessário, serão criados acessos ao longo do percurso em trechos específicos. Destacamos que, depois da conclusão das obras, o acesso será livre sem nenhuma segregação. Em caso de alterações no tráfego, a população será comunicada previamente.

7- O VLT vai acabar com o trem do Subúrbio?

Com a implantação do VLT, o sistema de trens do Subúrbio deixará de existir. Em operação desde o século 19, e com equipamentos de idade superior a 60 anos, o sistema de trens do Subúrbio se encontra defasado há anos. A partir de 2013, após ser assumido pelo Governo do Estado, iniciou-se um planejamento para a sua modernização, que virá com a implantação do VLT. Porém, a estação da Calçada terá seu prédio preservado.

8- Por que optou-se pelo VLT e não pelo metrô?

O Governo do Estado optou pela implantação do VLT após estudos de demanda que
identificaram o modal como o mais apropriado para substituir os atuais trens do Subúrbio.
Se comparado ao metrô, o VLT necessita de bem menos tempo de construção e, por ser
elevado, causará menos impacto na região.