A Skyrail Bahia, que faz parte da BYD, está no roteiro de visitas do carro que será lançado até o fim do ano no Brasil.

Um carro que só falta falar! Não, o BYD Song Plus DM-i fala e também ouve. Basta um comando de voz para os vidros abrirem e fecharem. O som está alto? É só pedir que um computador de bordo abaixa o volume rapidamente. Tá com calor? Que tal um ar frio saindo dos bancos para refrescar o motorista e os passageiros num dia quente do verão de Salvador? Essas são só algumas das maravilhas do novo carro da BYD.

UM CARRO DE LUXO NO PÁTIO

Os funcionários da Skyrail Bahia puderam conhecer de perto o caçulinha da série que está sendo produzido na China e veio para o Brasil numa fase de testes. Foi uma tarde para tirar dúvidas, fotografar e ver o que há de mais vantajoso num carro de luxo, altamente tecnológico. O SUV médio virá numa versão híbrida, capaz de rodar por até 51 km com a bateria totalmente carregada. Há um sistema de regeneração da energia feita pelo motor à combustão e também uma espécie de tomada (o plug-in) que recarrega a bateria. No modo automático, quando a carga da bateria chega a 25% o motor à combustão é acionado e o sistema passa a gerenciar a carga. Assim, o motorista consegue programar a chegada a um ponto de recarga e não passar sufoco na estrada ou nos centros das grandes cidades. A autonomia total pode chegar a 1.200 km com o tanque de combustível cheio.

UM CARRO ECÔNOMICO MESMO FORA DA ESTRADA

Uma das grandes vantagens em tempos de preço alto do combustível é que o Song além de ser híbrido é mais econômico dentro da cidade, diferentemente dos carros à combustão. Isso porque as frenagens e a desaceleração, comuns em engarrafamentos e trânsitos intensos, ajudam a recarregar a bateria pelo modo de regeneração.

OUTRAS CURIOSIDADES

O motor 1.5 atua tanto para tracionar o carro quanto para recarregar as baterias e alimentar o motor elétrico. Assim, a BYD conseguirá vender um produto com boa performance e capaz de atender à maioria dos deslocamentos diários sem gastar gasolina. O Song tem um assistente de direção que mantém o veículo na faixa de rolagem e a uma distância segura do veículo da frente, acelerando e freando sozinho – graças a um sistema de câmeras e sensores. Numa curva, mesmo que o motorista tire as mãos do volante, o carro mantém o direcionamento por até 15 segundos. Ou seja, o Song fala, escuta e até anda sozinho. Tudo isso por um preço que ainda não é acessível, em média 300 mil reais, mas já está bem mais baixo que os primeiros lançamentos da BYD, O  Han e o Tan ultrapassam os 500 mil reais.

UMA EQUIPE EM AÇÃO E NA ESTRADA

Da esquerda para direita – Henrique Burin, Luna Pan, Jiabin Li, Henrique Antunes, Rodrigo Mathias e Edson Lamacita

Dois engenheiros de Campinas, um engenheiro da China, um fotógrafo e uma analista de marketing. Essa é a equipe que viajou mais de 6 mil km por três regiões do Brasil a bordo do BYD Song para realizar uma das etapas da fase de testes do carro recém-fabricado. A equipe passou por 14 cidades em 17 dias. Visitou parceiros, concessionárias e as empresas do grupo BYD, como a Skyrail Bahia. “Uma expedição extremamente gratificante a bordo de uma máquina confortável. O objetivo foi verificar a performance do carro, avaliar o que vai ser preciso ajustar. Foi muito gratificante profissional e pessoalmente.” Comenta o engenheiro de produtos da BYD, Rodrigo Mathias.

 

Parque estadual do Rio Turvo, São Paulo
Portal da Graciosa, Campina Grande do sul- PR

 

 

 

 

 

 

VOCÊ SABIA….

Os carros tecnológicos ou autônomos estão classificados em uma escala internacional criada pela Sociedade de Engenheiros Automotivos. A escala vai de 1 a 5. O Byd Song ocupa a posição 2.

.