O projeto do VLT do Subúrbio contempla a criação de 21 paradas ao longo das duas fases: o trecho que liga a Ilha de São João ao Comércio e o outro que conecta a parada São Joaquim ao Acesso Norte. A concepção das paradas envolve aspectos que vão muito além da funcionalidade de receber e embarcar os passageiros do VLT. Toda a arquitetura foi pensada com o objetivo de transformar esses espaços em locais de integração, serviços e também de apreciação da bela paisagem do Subúrbio Ferroviário.

Com projetos criados pela MMBB Arquitetura e Urbanismo, as paradas vão trazer renovação ao cenário da região. Mas, para o arquiteto e sócio fundador da empresa, Milton Braga, o objetivo maior do projeto é causar um menor impacto possível e valorizar os verdadeiros protagonistas da região do Subúrbio, a Baía de Todos os Santos. “No modelo padrão, optamos por uma estrutura compacta e bastante funcional. As paradas do VLT serão, ao mesmo tempo, espaços de referência para os bairros, porém, terão aparência discreta e não vão atrapalhar a vista da baía”, descreveu Braga.  Ele também ressaltou que elas terão uma plataforma central e laterais vazadas. Ou seja, enquanto espera o VLT chegar, o usuário poderá contemplar o mar sem empecilhos.

As paradas do atual trem do Subúrbio serão desativadas e darão lugar a estruturas modernas, leves e vazadas, o que permitirá uma maior ventilação e iluminação natural. “Na cobertura vamos usar uma membrana de PVC tensionada e translúcida, o que vai garantir uma boa iluminação e filtrar o calor. Sugerimos o uso de técnicas modernas, como peças pré-fabricadas de concreto e aço. Desta forma, a obra fluirá com rapidez e com o objetivo de levar mais conforto e segurança aos usuários”, revela o gerente de Civil da Skyrail Bahia, Renato Siqueira.

Vias no entorno das paradas serão criadas ou revitalizadas para melhorar o acesso da população ao modal. Desta forma, o uso do transporte para facilitar o acesso a outras partes da cidade, seja para trabalho ou lazer.  Assim, a população do Subúrbio se sentirá parte mais atuante no contexto geral da cidade de Salvador.

INTEGRAÇÃO DA ESTAÇÃO CALÇADA

A estação da Calçada é a mais tradicional de todas as existentes. Por ser um imóvel de grande valor cultural e estar em processo de tombamento pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), o prédio que passou por reforma recente, será preservado. A estação da Calçada terá adaptações para continuar sendo valorizada, mesmo com a construção da nova estação bem ao lado.

O objetivo é não contrastar as duas construções. De acordo com Milton Braga, a nova parada da Calçada terá o mesmo alinhamento que o prédio histórico. “Isso significa que as duas estações, a nova e a antiga, estarão com a mesma distância da rua e terão a mesma altura. A nova estação também terá linhas horizontais que acompanharão as frisas do prédio antigo”, explicou.

Será instalado um bicicletário fechado em área externa, mas a entrada e saída, a bilheteria e os sanitários públicos continuarão a ser na estação antiga. As cores da nova estação anexa vão respeitar a composição da antiga construção, através de paralelismos e um esquema único de cores.